quinta-feira, 11 de abril de 2013


«Felizes os que acreditam sem terem visto»
[João 20,1-9]

Vendo e vídeo da celebração do Papa Francisco no passado domingo – Domingo II da Páscoa ou da Divina Misericórdia - na Basílica de São João de Latrão em Roma, não fiquei surpreendido com a “surpresa” da utilização do chamado “Báculo de Paulo VI” – uma bastão com a imagem de Cristo crucificado. Foi criado e usado por Paulo VI, João Paulo I, pelo Beato João Paulo II e por Bento XVI no início do seu pontificado até que o substituiu pelo do Papa Pio IX e depois criou um para si próprio que continuou a ser utilizado no início do pontificado do Papa Francisco.


Para dizer a verdade, já o esperava… pois este Báculo parece-me mais em sintonia com a simplicidade que o Papa Francisco está a transmitir no seu modo de agir e actuar e, sobretudo, está a condizer mais com o essencial da fé cristã – Cristo Crucificado, como disse na Homilia da Missa com os Cardeais, na Capela Sistina, no dia 14 de Março: «Eu queria que, depois destes dias de graça, todos nós tivéssemos a coragem, sim a coragem, de caminhar na presença do Senhor, com a Cruz do Senhor; de edificar a Igreja sobre o sangue do Senhor, que é derramado na Cruz; e de confessar como nossa única glória Cristo Crucificado. E assim a Igreja vai para diante».

Sem comentários:

Enviar um comentário