terça-feira, 8 de dezembro de 2015

DOMINGO 2 – PREPARAI o caminho do Senhor, ENDIREITAI as suas veredas

PAPA FRANCISCO - MIL DIAS DE PONTIFICADO

“Miserando atque eligendo” - “Olhou-o com misericórdia e escolheu-o”

Lema episcopal do Papa Francisco. Conservou-o, como Papa. Evoca uma passagem do Evangelho de Mateus.

Assinalam-se os primeiros 1000 dias do pontificado de Francisco. Eleito no dia 13 de março de 2013, Francisco completa 1000 dias de pontificado a 8 de Dezembro.

Jorge Mario Bergoglio, de 78 anos de idade, foi eleito como sucessor de Bento XVI após a renúncia do agora Papa emérito; Francisco é o primeiro Papa jesuíta na história da Igreja e também o primeiro pontífice sul-americano.

Em 32 meses, o Papa argentino visitou o Brasil, Jordânia, Israel, Palestina, Coreia do Sul, Turquia, Sri Lanka, Filipinas, Equador, Bolívia, Paraguai, Cuba e Estados Unidos da América, Quénia, Uganda e República Centro-Africana, bem como as cidades de Estrasburgo (França), onde passou pelo Parlamento Europeu e o Conselho da Europa, Tirana (Albânia) e Sarajevo (Bósnia-Herzegovina).

Realizou também dez viagens em Itália, incluindo uma passagem pela ilha de Lampedusa e uma homenagem no centenário no início da I Guerra Mundial, para além de outras visitas a paróquias na Diocese de Roma.

As Filipinas acolheram a 18 de Janeiro a maior celebração do atual pontificado, junto ao estádio ‘Quirino Grandstand’, na área do Parque Rizal, com seis milhões de participantes, o que representa um recorde na história da Igreja Católica.

Entre os principais documentos do atual pontificado estão as encíclicas ‘Laudato si’, dedicada a questões ecológicas, a ‘Lumen Fidei’ (A luz da Fé), que recolhe reflexões de Bento XVI, e a exortação apostólica ‘Evangelii Gaudium’ (A alegria do Evangelho).
O Papa argentino promoveu um Sínodo sobre a Família, em duas sessões, com consultas alargadas às comunidades católicas, e simplificou os processos de nulidade matrimonial.


Francisco está a promover uma reforma da Cúria Romana, a começar pelo setor administrativo-financeiro, com auditorias externas às contas do Vaticano e a criação de uma Secretaria para a Economia na Santa Sé, para além da implementação de medidas de transparência financeira no Instituto para as Obras de Religião (IOR, conhecido como Banco do Vaticano).

Além das várias críticas a um sistema económico e financeiro que “mata”, o Papa tem apelado à paz nas várias regiões do mundo afetadas por conflitos, assumindo a defesa dos cristãos no Médio Oriente, perseguidos pelo autoproclamado ‘Estado Islâmico’, e criticando quem justifica ataques terroristas com as suas convicções religiosas.


O Papa criou 38 novos cardeais, incluindo D. Manuel Clemente, patriarca de Lisboa, e prelados de Cabo Verde, Etiópia, Mianmar, Panamá, Tonga, Tailândia e Vietname, entre outros.

Agência ECCLESIA

Sem comentários:

Enviar um comentário